Saúde & bem-estar
Atualizado: 
Publicado: 
Leitura 
de 3 min

Dr. Leonardo Ferreira

Médico generalista - CRM-SC 12070

Atendimento humanizado e a relação médico-paciente

Médico atendendo paciente

A prática médica passou por muitas mudanças. No passado, era comum uma família possuir um médico que visitava os pacientes em sua casa e conhecia minuciosamente cada um. Hoje, apesar da prática não ser tão comum, ainda buscamos vínculos entre médico e paciente

Estar em um consultório, procurando ajuda médica é um momento que envolve dúvidas e muitos receios. Portanto, é necessário que o profissional acolha seus pacientes disposto a escutar e com um atendimento baseado na ética profissional.

Leia também: Como se livrar de dor de cabeça (cefaleia) tensional?

O que é atendimento humanizado? 

A própria ideia de humanização do atendimento na saúde não é nova. O ministério da saúde define como um conjunto de ações que visam o acolhimento dos usuários, bem como a participação de gestores, profissionais da saúde e dos próprios usuários para a devida gestão dos serviços de saúde e por fim a valorização dos profissionais da saúde.

Trata-se de um atendimento que visa ouvir e compreender o problema central da pessoa a sua frente. Considerar as melhores opções de solução possíveis e, então, chamar essa pessoa para tomada de decisão em conjunto.

Para um bom atendimento, é necessário deixar o paciente entrar, sentar e ambientar-se em seu consultório. Então:

  1. Perguntar qual a sua queixa e deixá-lo à vontade para explicar suas questões. Pedir licença para fazer o exame físico. 
  2. Explicar os próximos passos do atendimento, assim como o contexto clínico ao paciente, dentro das limitações de entendimento dele. 
  3. Por fim, propor soluções para seu problema e deixar o paciente opinar sobre a solução, e somente depois disso determinar o tratamento.

Assim, o paciente está recebendo um atendimento humanizado quando:

  • Suas vontades e crenças são respeitadas;
  • Se sente atendido com afeto, atenção e acolhimento;
  • O diálogo é, de fato, ouvido e tem uma atenção totalmente voltada ao que o paciente sente;
  • Seus sentimentos, medos e ansiedades são levados a sério;
  • Existe respeito do começo ao fim.

Qual é a importância do atendimento humanizado?

Para muitos profissionais da saúde, pode ser um questionamento, no mínimo, válido. Afinal, profissionais da saúde podem se perguntar se isso faria alguma diferença no resultado de seus tratamentos.

Ainda hoje, muitos acreditam que apenas seus conhecimento da fisiologia e de sua especialidade são o suficiente para atingirem seus melhores resultados. O que pode ser um engano, além de ser a causa número um de aberturas de processos médicos.

O relacionamento médico-paciente ruim, também leva a falta de orientações, dúvidas ao paciente sobre o tratamento proposto e, por conseqüência, a um tratamento inadequado com resultados ruins, se não perigosos à saúde do paciente.

É fundamental para todo médico desenvolver um bom relacionamento médico-paciente. Mas, para isso, o atendimento humanizado é primordial. Além disso, é notório o aumento das exigências mínimas das pessoas em todas as áreas. Ninguém mais admite esperar 5 minutos que sejam numa fila. Ou que o produto deixe de funcionar por 30 segundos. 

É fundamental a humanização dos atendimentos, para que possamos nos relacionar adequadamente com nossos pacientes e a fim de guiá-los por caminhos possíveis para a melhor solução à suas demandas.

Leia também: 5 mudanças de hábito para manter a saúde do coração

A humanização do atendimento médico

Na atualidade, a humanização ainda é um processo em andamento. Algumas áreas já tiveram uma boa melhora e outras ainda precisam mudar. No geral, ainda temos um longo caminho pela frente.

Nos dias atuais, crescem os números de exames solicitados e de medicamentos prescritos. E isso tem múltiplos fatores, como:

  • O aumento de processos médicos, que levam a uma medicina mais defensiva;
  • A pressão dos laboratórios em vender cada vez mais medicamentos;
  • A própria sociedade, cada vez mais intolerante a todo e qualquer tipo de frustração, dor ou desconforto.

Portanto, a humanização no atendimento médico tem, dentre seus objetivos, a construção de uma melhor relação-médico paciente, que é a ponte para um melhor relacionamento que, além de diminuir o número de processos médicos, tem como função otimizar os pedidos de exames complementares e guiar os pacientes para um uso mais consciente de medicação.

Mesmo com os pedidos otimizados e uso consciente de medicamentos, não se espera uma diminuição no número de exames ou na lista de medicamentos.

Com a evolução da tecnologia, as possibilidades de exames tem se tornado incontáveis. Apesar de estarmos ainda na fase de pedidos excessivos e inúteis de exames, com o tempo, poderemos chegar ao uso mais otimizado e racional dos exames à disposição.

Porém, com a velocidade de aumento das possibilidades de testes, não estaremos diminuindo o número de exames, mas apenas pedindo os “exames certos” para cada caso. O mesmo raciocínio pode ser aplicado aos medicamentos que a cada dia se tornam mais específicos e com associações cada vez mais vastas.

Leia também: Tudo o que você precisa saber sobre doação de sangue

O atendimento humanizado e o futuro

Seria impossível prever o futuro, mas podemos ver uma linha em comum a todo este cenário: a preocupação com o ser humano. Hoje, tudo que se produz ou que se faz tem como visão central a satisfação do cliente. Este mesmo comportamento social também se reflete na saúde.

Empresas, serviços e hospitais precisam se reinventar para melhorar o padrão do atendimento e a satisfação das pessoas com seus produtos e serviços. É necessário e urgente colocar cada vez mais o ser humano em toda sua complexidade como foco.

Claramente a humanização não se coloca como a grande solução para reversão desse quadro complexo e multifatorial, mas é uma das peças chaves neste processo.

Quem escreve

Dr. Leonardo Ferreira

Dr. Leonardo Ferreira

Médico generalista - CRM-SC 12070

Dr. Leonardo Ferreira é Médico Generalista em Santa Catarina, formado em medicina pela Universidade Gama Filho e acredita que o papel do médico é ser um meio de confiança para o paciente.